Lote 195
Carregando...

Tipo:
Colecionismo

Katana. Mede 71cm. Lâmina (KAMI) em aço Carbono com 62cm. Cabo (TSUKA) em madeira, com revestimento (SAME) em couro de arraia, coronha (KASHIRA) e colar (FUCHI) em prata, guarda (TSUBA) em ferro fundido e decoração vazada. Bainha (SAYA) com pó de abalone, decoração em prata no corpo, boca e ponta, com adaga (KOSUKA) acessória de 20cm. Cabo em prata e lâmina assinada. Assinatura (MEI) do artesão no Nakago. Falta Mekugi da cabo, Kurigata e cordão da bainha.No Japão Medieval, a espada foi a arma mais usada durante duelos e batalhas. Sua importância e uso, se intensificou no início do século VXII, durante a unificação pelo Shogun Tokugawa Ieyasu, período que ocorreram os grandes duelos entre Samurais e quando foi declarado o uso exclusivo das espadas por guerreiros em 1588. Tokugawa Ieyasu dizia: "A espada é a alma do Samurai".Os Samurais portavam duas espadas presas ao obi, a Katana, espada longa, medindo de 60 a 102 cm e outra menor, a Wakizashi, medindo de 30 a 60 cm. O Daishô, conjunto das duas espadas usadas pelos Samurais, simbolizava o orgulho e emblema do guerreiro. A Katana é conhecida como uma "lâmina espiritual", distinguindo-se das outras armas. Os Samurais, durante as batalhas, também usavam uma terceira faca fina, o Tanto, que ficava escondida, para o caso de emergências.A história da Katana está ligada à história do Japão e ao desenvolvimento das técnicas de lutas e batalhas. Sua denominação muda, conforme o período ao quais elas foram produzidas:Jkot: (espadas antigas)(800 d.C.) As espadas usadas eram retas, com fio simples (Chokuto) ou duplo (Ken) e pobremente temperadas. Não havia um desenho padrão.Kot: (velhas espadas de cerca de 9001596)A partir do período Heian (794-1185), surge o termo Nipponto ou Nihonto, que significava "espada japonesa". A mudança no estilo de luta, com batalhas à cavalo e não mais à pé, houve a necessidade da alteração do seu formato, com o objetivo de facilitar durante o combate, para espadas longas, curvadas, com uma base mais larga e forte e ponta bem fina. As espadas desta época são chamadas de Tachi e representam a categoria das antigas espadas.Durante este período as espadas, possuíam inscrições budistas, devido à forte ligação do cuteleiro com a religião e com seu trabalho. *Período Kamakura (1185-1333): com o Japão sob domínio da classe guerreira, foi considerado a "Época de Ouro" da espada japonesa. Muitas espadas consideradas tesouro nacional foram produzidas neste período.A Katana clássica, usada como arma dos samurais, surgiu no período Muromachi. Com os feudos em guerra, enquanto os exércitos cresciam, os soldados a cavalo se tornavam mais raros e a força principal vinha daqueles que combatiam a pé. Variando entre 60 a 90 cm no comprimento e com lâmina de largura uniforme, eram mais fáceis de carregar e mais rápidas para sacar.Shint: (novas espadas 15961780); Era Edo. Iniciou-se o governo de Tokugawa e apesar de as armas de fogo já fazerem parte do armamento dos exércitos, as espadas ainda eram produzidas e de forma ainda mais refinada, com a matéria-prima mais acessível e a troca de experiência entre os cuteleiros que passaram a viajar com os exércitos.As espadas deste período são conhecidas como espadas novas.Esta fase foi curta, pois com a unificação interna do Japão foi instituída uma lei proibindo o porte de espadas pelos samurais. Shinshint: (espadas mais novas 17811876);Gendait: (espadas modernas 18761945)12Shinsakut: (espadas recentes 1953 até hoje).

Peça

Visitas: 158

Tipo: Colecionismo

Katana. Mede 71cm. Lâmina (KAMI) em aço Carbono com 62cm. Cabo (TSUKA) em madeira, com revestimento (SAME) em couro de arraia, coronha (KASHIRA) e colar (FUCHI) em prata, guarda (TSUBA) em ferro fundido e decoração vazada. Bainha (SAYA) com pó de abalone, decoração em prata no corpo, boca e ponta, com adaga (KOSUKA) acessória de 20cm. Cabo em prata e lâmina assinada. Assinatura (MEI) do artesão no Nakago. Falta Mekugi da cabo, Kurigata e cordão da bainha.No Japão Medieval, a espada foi a arma mais usada durante duelos e batalhas. Sua importância e uso, se intensificou no início do século VXII, durante a unificação pelo Shogun Tokugawa Ieyasu, período que ocorreram os grandes duelos entre Samurais e quando foi declarado o uso exclusivo das espadas por guerreiros em 1588. Tokugawa Ieyasu dizia: "A espada é a alma do Samurai".Os Samurais portavam duas espadas presas ao obi, a Katana, espada longa, medindo de 60 a 102 cm e outra menor, a Wakizashi, medindo de 30 a 60 cm. O Daishô, conjunto das duas espadas usadas pelos Samurais, simbolizava o orgulho e emblema do guerreiro. A Katana é conhecida como uma "lâmina espiritual", distinguindo-se das outras armas. Os Samurais, durante as batalhas, também usavam uma terceira faca fina, o Tanto, que ficava escondida, para o caso de emergências.A história da Katana está ligada à história do Japão e ao desenvolvimento das técnicas de lutas e batalhas. Sua denominação muda, conforme o período ao quais elas foram produzidas:Jkot: (espadas antigas)(800 d.C.) As espadas usadas eram retas, com fio simples (Chokuto) ou duplo (Ken) e pobremente temperadas. Não havia um desenho padrão.Kot: (velhas espadas de cerca de 9001596)A partir do período Heian (794-1185), surge o termo Nipponto ou Nihonto, que significava "espada japonesa". A mudança no estilo de luta, com batalhas à cavalo e não mais à pé, houve a necessidade da alteração do seu formato, com o objetivo de facilitar durante o combate, para espadas longas, curvadas, com uma base mais larga e forte e ponta bem fina. As espadas desta época são chamadas de Tachi e representam a categoria das antigas espadas.Durante este período as espadas, possuíam inscrições budistas, devido à forte ligação do cuteleiro com a religião e com seu trabalho. *Período Kamakura (1185-1333): com o Japão sob domínio da classe guerreira, foi considerado a "Época de Ouro" da espada japonesa. Muitas espadas consideradas tesouro nacional foram produzidas neste período.A Katana clássica, usada como arma dos samurais, surgiu no período Muromachi. Com os feudos em guerra, enquanto os exércitos cresciam, os soldados a cavalo se tornavam mais raros e a força principal vinha daqueles que combatiam a pé. Variando entre 60 a 90 cm no comprimento e com lâmina de largura uniforme, eram mais fáceis de carregar e mais rápidas para sacar.Shint: (novas espadas 15961780); Era Edo. Iniciou-se o governo de Tokugawa e apesar de as armas de fogo já fazerem parte do armamento dos exércitos, as espadas ainda eram produzidas e de forma ainda mais refinada, com a matéria-prima mais acessível e a troca de experiência entre os cuteleiros que passaram a viajar com os exércitos.As espadas deste período são conhecidas como espadas novas.Esta fase foi curta, pois com a unificação interna do Japão foi instituída uma lei proibindo o porte de espadas pelos samurais. Shinshint: (espadas mais novas 17811876);Gendait: (espadas modernas 18761945)12Shinsakut: (espadas recentes 1953 até hoje).

Informações

Lance

    • 0 lance(s)

    • R$ 6,500.00

    • R$ ,00

Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1º O LEILOEIRO é nomeado pela Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro em obediência ao decreto Lei Federal nº 21981 de 1932 e a nova redação Lei nº13.138 de 26 de Junho de 2015 e obedece as normas da JUCERJA , Instrução Normativa DREI 17/2013 artigos 24 a 53, e as normas do CPC e da CGJ-RJ. O arrematante também sujeito as normas do Leiloeiro não se caracteriza CONSUMIDOR. As obras que compõem o presente LEILÃO, em exposição à Rua Domingos Ferreira, 121/701, Copacabana Rio de Janeiro, foram espertizadas pelos ORGANIZADORES do LEILÃO que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições, NÃO CABENDO AO LEILOEIRO essa responsabilidade. 2º Em caso eventual de engano na espertizagem de obras, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não serão mais admitidas quaisquer reclamações, considerando-se definitiva a venda, e o Leilão poderá pagar o comitente. 3º As obras estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas. 4º O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, efetuando a venda em nome de terceiros (comitentes), que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos. 5º Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As obras serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição quanto ao estado ou vícios decorrentes do uso serão efetuadas dentro do possível, mas sem obrigação de exatidão, pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das peças nem se admitirá alegação para descumprir o compromisso firmado. 6º O Leiloeiro percebendo erro na redação descritiva do lote, ou foto em desacordo com a peça, poderá cancelar o lote. 7º Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo. 8º Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou mediante autorização para lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado. Os lances e arremates pela Internet ou telefone, tem o mesmo valor legal que os feitos de forma presencial. Para os valores empatados prevalecerá quem lançar primeiro, ocorrendo também nos lances prévios, que chegaram primeiro. 8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.9º O Leiloeiro colocará a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros. 10º O Leiloeiro se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes. Na Internet se desabilitara a lançar quem estiver nesta situação. 11º Adquiridas as obras e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação. 12º O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances tem previa programação para facilitar o lance na Internet on-line; nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação. 13º Em caso de litígio no leilão prevalece a palavra do Leiloeiro. 14º As obras adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%) . Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores 15º A entrega das mercadorias arrematadas será no local da Exposição, mediante pagamento. Para os arrematantes que não puderem recolher os lotes no local, colocamos por CORTESIA o serviço de embalagem e despacho por Empresa que o arrematante indicar, com prévio depósito do valor arrematado somado ao custo do despacho. Quando enviado pelos Correios será com seguro contra extravio com limite de valor do Correio. Desde já avisamos que toda remessa é de total responsabilidade do arrematante; estando o Leiloeiro e a administração do Leilão, desobrigados porta- afora do recinto do Leilão. 16º O descumprimento destas condições pelo arrematante que não poderá alegar desconhecimento, resultará na impossibilidade do mesmo alegar qualquer fim de direito, ficando eleito o foro do estado do Rio de Janeiro Comarca da Capital, por mais privilegiado que outro seja, para dirimir qualquer incidente alusivo à arrematação.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão. O pagamento e a retirada da compra deve ocorrer impreterivelmente dentro do prazo estipulado, disposto no e-mail de cobrança que será encaminhado após o último dia do leilão em questão. Arrematantes residentes fora do estado do RJ, devem realizar alinhamentos formalizados via e-mail diretamente com a referida organização. Não aceitamos cartões.

  • FRETE E ENVIO

    -Informações sobre custos de envio, somente serão fornecidas se solicitadas.

    Gentileza verificar "Informações Importantes" (dispostas abaixo do banner do catálogo e no e-mail de cobrança encaminhado após o último dia do leilão em questão), onde constam as demais informações acerca do fluxo de remessas.